segunda-feira, janeiro 25, 2010

Evidentemente

Evidentemente, é a mamã que se ocupa de tudo, é ela que cuida da minha higiene pessoal com carícias de verdadeiro bem-estar.

in Guia Prático do Crescimento Chicco, Edição 2008 nº 59, pag. 53

4 comentários:

Helena disse...

Por uns momentos, voltei ao Anita Mamã.
(aiq eu me sai agora um suspiro bem lá do fundo da infância)

E por falar em carícias de bem-estar: recomendo o livro do Frédérik Leboyer sobre massagens para bebés. Escrito como um poema e não como uma técnica, de uma maneira que o coração da gente percebe.

Bem, peço desculpa pelo abuso: mal se vê uma mulher com criança fresca, desata-se logo a dar conselhos!
Mas foi mais forte que eu... ;-)

D. Ester disse...

sim, sim, a linguagem dos guias de puericultura é muito Anita Mamã. Um tiro no pé para as mulheres que pretendem incentivar a paternidade activa.

Conselhos destes são sempre bem vindos e agradecem-se. Fui a umas aulas de massagem para bebés mas a ligação com a instrutora não foi propriamente um poema, e por isso a coisa não ficou muito bem implantada. De qualquer forma depois do banho lá faço o muuuuuuuuuuuuugir a vaquinha com os braços e pernas. Ele ri-se porque eu tenho muita graça, claro.

Helena disse...

Muuuuu, e ele ri-se?
Que ternura!

Bem, para incentivar a paternidade activa o melhor é ler a Pais e Filhos sueca...
A alemã também não é má.
O problema é que fazem da maternidade/paternidade um concurso "os melhores pais do mundo". Por muito que a gente se desunhe, só faz asneiras.

E eis como eu, que continuei a trabalhar apesar de ter filhos porque queria fugir a todo o custo destas conversas, me ponho a fazê-las depois de velha. Devo ser um caso de mãezitis retardada...
;-)

Ó D. Ester, sabe alemão? Mandava-lhe o meu Leboyer.
Caso contrário, talvez faça mais umas traduções rapidinhas de serviço público lá no meu blogue.

D. Ester disse...

a pais e filhos sueca assim à partida só lhe vejo um problema. é que eu sueco só o cozinheiro dos marretas. Alemão sei contar e dizer que a amo, meu tesouro, temo não seja suficiente para tanta monta - apesar de ser amoroso, convenhamos.

O miudo ri-se imenso, basta fazer caretas e barulhos. Um público fácil.

Maezite retardada é cool. Chatas são as pessoas que vivem cheias de certezas sobre o que se deve e pode fazer aos meninos, credo. Antes dele nascer já levei umas ensaboadelas dessas e fiquei vacinada, agora as tentativas resvalam por mim como teflon. O segredo é dizer sempre hum, sim, e as pessoas ficam contentes a achar que foram úteis.