quarta-feira, outubro 29, 2008

Vai buscar quem mora longe, sonho meu

Há meses tive um sonho perturbante, e de todas as vezes que me lembro dele entre risos do ridículo fico muito preocupada com o meu inconsciente.

Estava algures num bar entre a praia e a serra, imagino que na Arrábida. De repente aparece-me o Daniel Oliveira (que eu nunca vi mais gordo, a não ser de dedo em riste nos debates do prós e contras a defender o sim ao referendo sobre o aborto). O pobre senhor no meu sonho encantava-se por mim e não me largava dizendo que tínhamos de ter filhos juntos, "D. Ester já pensaste bem, os meus genes e os teus são uma combinação perfeita!" E apartir daí todo ele era mãos de polvo e olhares gulosos, e eu de repente sem vontade nenhuma de maternidade com tão insólita proposta.

Depois havia um anfiteatro, aulas na Universidade, uma ameaça de bomba atómica, uma crise mundial, e o Daniel Oliveira sempre ali. Não sei se ele era dos bons ou dos maus, mas se continuava a querer dar descendência ao mundo com os seus espermatozóides fundidos nos meus óvulos ou tinha uma agenda escondidada de nova arca de noé ou devia ser uma espécie de Jack Bauer omnipresente.

5 comentários:

sete e picos disse...

os teus sonhos são sempre fantásticos :)

Lince disse...

D. Ester,

Eu nao percebo nada de analise de sonhos, nem o meu veterinario me consegue ajudar quando deitada na maca da proteccao dos animais em vias de extincao, lhe conto o que sonhei na noite passada...

Que fazer?

Olhe, D. Ester, se calhar, se esse tal Oliveira tiver um blog... perguntar-lhe se tem andado a sonhar consigo...

Bjs
Lince!

dizia ela baixinho disse...

livra!

sem-se-ver disse...

credo!!

O Tratador disse...

D. Ester

Isso parece uma versão freudiana do famigerado emplastro, neste caso com os dentes todos.